Quais são as principais doenças de pele em cães?

Deixe um comentário

Quais são as principais doenças de pele em cães?

Nem todo cachorro é peludo, mas todos têm pele. A pele canina, muitas vezes fica coberta de muita fofura, porém ela pode esconder muitas doenças. Hoje vamos trazer pra vocês algumas das principais doenças que acometem nossos peludos: as doenças de pele ou dermatites. Esse conteúdo é importante para que você possa prestar atenção à saúde de seu cãozinho e, se preciso, recorrer ao veterinário.

 

Erlichiose (doença do carrapato)

Essa é uma das doenças mais comuns entre cachorros. A Erlichiose é uma doença causada pela bactéria Ehrlichia canis, transmitida, geralmente, pelo vetor Rhipicephalus sanguineus, um carrapato. Os cães infectados podem apresentar poucos ou nenhum sinal da doença, na fase subclínica. Seu diagnóstico deve ser confirmado, portanto, através de exames de sangue, podendo ser evidenciado por uma anemia, por exemplo. A doença também pode se comportar de forma muito severa, na fase aguda, mas seu tratamento é relativamente simples, utilizando-se antibióticos.

 

Escabiose (sarna)

A Escabiose, também chamada de sarna, é uma doença altamente contagiosa causada pelo ácaro Sarcoptes scabiei variedade canis. Essa dermatose pode ser contraída também por gatos e, inclusive, por humanos. O parasita é exclusivo da pele, podendo morrer em horas no ambiente. O prurido intenso (coceira) é causado pela reação alérgica da pele ao ácaro, seus ovos e fezes são colocados por eles em túneis microscópicos na pele. O tratamento do animal é obrigatório e está aliado à higienização do ambiente para evitar a reinfestação e garantir a profilaxia da doença.

 

DAPE (Dermatite Alérgica a Picada de Ectoparasitas)

DAPE é o termo usado para a inflamação da pele causada pela picada de ectoparasitas, como carrapatos e pulgas (DAPP). O exame clínico dessa doença geralmente é suficiente para o diagnóstico. Trata-se de uma doença muito comum em locais de clima tropical. A dermatite é desencadeada pela saliva do parasita que, ao entrar em contato com a pele do hospedeiro, pode causar uma reação de hipersensibilidade. Em função da coceira extrema, o animal pode apresentar como sintomas secundários as lesões cutâneas e até mesmo infecções. Seu tratamento deve ser acompanhado do controle do parasita e da higienização adequada do ambiente e do animal.

Para evitar essas e outras doenças de pele, recomenda-se o uso de pipetas ou colares antipulgas e carrapatos, a higienização completa do animal e seu ambiente com frequência, além de uma boa alimentação.

Conheça nossos produtos

, ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*